Está pensando em engravidar?

Consulte antes a sua ginecologista e prepare-se para gestação segura com o bebê saudável.

A pré concepção tem forte impacto no resultado perinatal. O ideal é que a mulher, ou o casal, que deseje uma gestação consultasse a ginecologista seis (6) meses antes de interromper o método contraceptivo para uma avaliação completa da saúde.

Nessa consulta é realizada uma avaliação minuciosa de todos os órgãos e sistemas, baseada na história clínica e nos antecedentes pessoais e familiares. Nos casos de pacientes portadoras de enfermidades crônicas são solicitados pareceres a médicos especialistas das outras áreas para avaliação conjunta.

Muitas vezes as mulheres apresentam níveis inadequados de micronutrientes devido à ingestão inadequada de alimentos ou mesmo a síndromes disabsortivas. Alguns estudos apontam a suplementação de alguns nutrientes como a vitamina D, Coenzima Q 10 e N- acetilcisteina podem ser facilitadores da ovulação e concepção.

As deficiências nutricionais são exacerbadas durante a gravidez, levando a efeitos potencialmente nocivos para a mãe e o produto conceptual, tais como abortamento, anemia, hipertensão, pré-eclâmpsia, rotura prematura das membranas, parto prematuro e recém-nascidos de baixo peso.

Quando se institui um cuidado pré-concepcional, pode-se intervir no risco de anomalias congênitas por meio da suplementação de ácido fólico, por exemplo, muito mais efetivo que durante o período pré-concepcional. A suplementação de múltiplos micro nutrientes (vitaminas A, D, C, complexo B, ferro, iodo, zinco, magnésio e selênio) é uma estratégia promissora para redução de resultados adversos na gravides, pela melhoria nutricional e imunológica.

Dentro da avaliação laboratorial vale ressaltar a busca por enfermidades infectocontagiosas que possam ocasionar complicações e até a morte do feto. Solicitam-se sorologias para várias enfermidades como Sífilis, toxoplasma, citomegalovírus, HIV, hepatites além do hemograma completo, tipagem sanguínea e provas de função de vários órgãos com o fígado, os rins, tireoide e outros.  Em caso de abortamento anterior pode ser necessário investigar alterações no sistema de coagulação na pesquisa de trombofilias que podem levar à morte intrauterina e graves complicações maternas. Também pode-se solicitar avaliação genética ao casal principalmente se há antecedentes familiares de doenças cromossômicas.

Como parte essencial do exame ginecológico está a coleta de células cervicais para o estudo colpocitológico e pesquisa de alterações pré-cancerosas do colo uterino.   A infecção pelo HPV pode ser pesquisada e o tratamento instituído. Caso a mulher já esteja gestante o tratamento é posposto para depois do parto na maioria dos casos.

Nesse momento também colhem amostras para detecção de infecção por clamídia, gonorreia, tricomonas, micoplasmas e estreptococos do grupo B. Essas infecções sexualmente transmitidas (IST) são muito prevalentes e se associam a vários resultados adversos incluindo trabalho de parto prematuro, rotura premetura das membranas, baixo peso ao nascer, óbito neonatal e endometrite. Os recém nascidos podem apresentar pneumonia e até meningite.

Todas essas doenças podem e devem ser tratadas antes da concepção de forma eficaz e segura.

Antes de engravidar avalie sua saúde, utilize suplementos adequados prescritos pela sua ginecologista e trate qualquer enfermidade caso esteja presente.

O ÊXITO DA GESTAÇÃO COMEÇA ANTES DA CONCEPÇÃO.