A doença é comum entre as mulheres e pode afetar o sistema reprodutor

Mas afinal, o que causa a dor pélvica em mulheres?

Caracterizada por um incômodo constante na parte mais baixa do abdômen e próximo ao quadril, a dor pélvica é mais comum entre as mulheres e tem sido uma queixa frequente nos consultórios de ginecologia. Segundo pesquisas, a doença chega a atingir 16% da população feminina.

A dor pélvica é classificada em dois níveis: aguda, que é uma dor única e repentina; ou crônica (DPC), sendo um problema que perdura há pelo menos quatro meses, com a dor piorando gradativamente.

O que causa a Dor Pélvica Crônica?

A dor pélvica crônica (DPC) acomete 4 % das mulheres, com prevalência similar à dor lombar (4,1%), asma (3,7%) e enxaqueca (2,1%).

Pode ter motivos diversos e, em alguns casos, sem causa específica ou identificável, resultando em incapacidades físicas e emocionais. Por isso, a mulher deve ficar atenta à intensidade da dor, que pode se modificar devido a estímulos como ovulação, menstruação, síndrome pré-menstrual, evacuação, micção, relação sexual e emoções.

As respostas para o que causa a dor pélvica em mulheres variam entre distúrbios ginecológicos, gastrointestinais, urinários, musculoesqueléticos, neurológicos ou vasculares.  Muitas pacientes ficam sem diagnóstico até 3 ou 4 anos após a primeira consulta que ocorre, geralmente, após um ano ou mais da paciente estar padecendo a dor.

Diagnóstico minucioso definirá a causa da dor pélvica

A demora no diagnóstico deriva do componente multifatorial da doença, que exige investigação minuciosa de vários órgãos e sistemas. Esse processo exige tempo, onde são eliminadas hipóteses e novos estudos serão feitos.

A anamnese, a delimitação do local da dor por mapeamento ventral e dorsal do corpo e os exames complementares devem ser realizados, solicitados e interpretados validando a congruência entre os achados e os dados semiológicos.

Por outro lado, a dor, geralmente, vem acompanhada por outros sintomas, que devem ser explicitados ao médico para que o diagnóstico seja mais rápido.

Avaliam-se detalhadamente os hábitos de vida e alimentares, condições ergonômicas, desempenho sexual e demais fatores que possam estar relacionados.

Qual o Tratamento para DPC?

Uma vez descoberta a natureza da dor inicia-se o correto tratamento, com a seleção dos instrumentos terapêuticos que respeitam a necessidade e tolerância individual da mulher.

Por fim, o resultado é desaparecimento completo ou, pelo menos, a grande alívio da dor qualquer que seja a sua origem.

A DOR PÉLVICA REQUER TRATAMENTO IMEDIATO.

SAIBA MAIS: Artigo científico sobre dor pélvica.