logo-dra-anal-rios-1-1-1-ConversImagem

Atrofia Vaginal: 5 fatos cruciais que toda mulher deve saber

Dra. Ana Luiza | Brasília, DF

A atrofia vaginal é um tópico que muitas vezes permanece nas sombras, apesar de sua prevalência e impacto significativo na qualidade de vida das mulheres. Este artigo visa esclarecer quatro informações valiosas sobre a atrofia vaginal, ampliando a compreensão e promovendo uma abordagem mais informada para o seu manejo.

1. Atrofia vaginal: Não apenas um problema da menopausa

Contrariamente à crença popular, a atrofia vaginal não é exclusiva das mulheres na menopausa. Mulheres mais jovens também podem ser afetadas, especialmente em situações que levam à queda na produção de estrogênio. Estas incluem o período pós-parto, a amamentação, cirurgia de retirada dos ovários, e o uso de certos medicamentos, como o acetato de gosserrelina, frequentemente utilizado no tratamento de endometriose ou miomas uterinos. 

2. Ressecamento vaginal ≠ atrofia vaginal

É importante diferenciar o ressecamento vaginal da atrofia vaginal. Enquanto a atrofia é uma condição específica, o ressecamento pode ter várias causas, incluindo infecções vaginais, tabagismo, uso de medicamentos, alguns métodos contraceptivos e fatores psicológicos. Portanto, nem todo ressecamento vaginal durante a menopausa é atribuído à atrofia.

3. Lubrificantes íntimos: Alívio temporário, não uma solução

Lubrificantes íntimos são frequentemente usados para aliviar o desconforto durante

a relação sexual em mulheres com pouca lubrificação natural. No entanto, é crucial entender que eles oferecem apenas um alívio momentâneo. Embora possam tornar o sexo menos doloroso para mulheres com atrofia vaginal, os lubrificantes não tratam a condição subjacente. Seu efeito é limitado ao período da atividade sexual.

4.Hidratantes vaginais: Auxiliam no tratamento do ressecamento vaginal, com duas aplicações semanais mas sem tratar a causa da patologia. Muito úteis como complemento de outros tratamentos como a aplicação de laser. 

5. Fatores de risco para Atrofia Vaginal

Certas mulheres têm um risco maior de desenvolver atrofia vaginal. Fatores que aumentam a probabilidade incluem tabagismo, ausência de atividade sexual regular, histórico de tratamento de câncer de mama, radioterapia pélvica e distúrbios imunológicos. Conhecer esses fatores de risco pode ajudar na prevenção e no diagnóstico precoce da condição.

A atrofia vaginal é uma condição que merece atenção e compreensão. Desmistificar e fornecer informações precisas é fundamental para que as mulheres possam buscar tratamento adequado, melhorar sua saúde e qualidade de vida. É importante consultar um ginecologista para discutir quaisquer preocupações ou sintomas, encontrar a causa e explorar as opções de tratamento mais adequadas.

Caso você seja de Brasília, entre em contato e agende sua consulta presencial, caso more em outro estado você pode realizar sua consulta online. Mantenha sua saúde em dia! 💚

Compartilhe via Whatsapp

Fonte: Dra. Ana Luiza Rios

Últimos posts

Candidíase de repetição? Amplie a investigação

A saúde da mulher em um só lugar!

Preencha o formulário abaixo para agendar sua consulta!
Formulário - Landing Page - Cuidado e Excelência - Whatsapp