O tumor é o segundo tipo mais comum de câncer de vulva, com aproximadamente 10% dos casos, quando detectado na região íntima

 

O melanoma é considerado um dos tumores mais perigosos que existem. Isso porque espalha-se facilmente pelo corpo, o fenômeno da metástase. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de seis mil novos casos por ano são detectados no Brasil. Entre eles, está o melanoma genital , também chamado de melanoma de vulva, que atinge os grandes lábios, o clitóris e as glândulas de Barholin.

 

Apesar de ser o segundo câncer mais comum, quando é considerada a região íntima, o tumor é de rara incidência e o diagnóstico precoce é difícil. A doença pode ter sintomas iniciais variados, como uma mancha pigmentada, lesão nodular, com dor ao toque ou durante o ato sexual. Por isso, os exames ginecológicoshttps://draanaluiza.com.br/papanicolau-como-e-feito-e-para-que-serve/ de rotina são essenciais para encontrar as possíveis lesões.

 

Como o melanoma vaginal pode ser diagnosticado?

A mulher deve estar sempre atenta ao próprio corpo, principalmente no surgimento de novas manchas ou pintas. Essas são os principais sinais iniciais do melanoma de vulva. Por isso, é muito importante observar cinco fatores desses novos “corpos”:

 

– Assimetria: analise se as duas metades são iguais.

– Bordas: confira se as bordas são irregulares.

– Coloração: observe se a cor é uniforme ou não. Caso tenha uma coloração variada entre preta, branca, cinza, marrom, vermelha e azul, é preciso ficar atenta.

– Tamanho: veja se a cavidade está dilatada, superior que 6 mm.

– Evolução: analise se a mancha/pinta está mudando de forma, cor ou aparência ao longo do tempo.

 

Mantenha-se vigilante quanto a qualquer tipo de mancha ou pinta. Lembre-se de que há melanomas que não se enquadram nessa lista e, por isso, os exames com a ginecologista devem ser periódicos apesar de qualquer outro cuidado.

 

Tratamento

A técnica mais segura e rápida para tratamento de melanoma vaginal nos dias atuais é o laser, que é capaz de remover completamente a lesão se f diagnosticada precocemente. A depender do estadiamento

da lesão a radioterapia ou quimioterapia podem também ser indicadas, pois quanto maior a lesão, mais complicado o tratamento.

 

Qualquer tratamento dependerá do quadro encontrado, avaliando localização, profundidade, presença de ulceração e a ocorrência ou não de metástases para os linfonodos. O diagnóstico precoce aumenta a taxa de sucesso do tratamento.

 

 

 

Fique atenta!

Muitas mulheres desconhecem a possibilidade de câncer na região genital, em especial o melanoma vulvar, por isso, todo cuidado e atenção deve ser constante. Fique atenta a todos os sinais do seu corpo! E, se possuir dúvidas, converse com a gente que vamos te explicar melhor sobre todas essas questões.

 

Entre em contato conosco.